cerveja

Cerveja artesanal: como transformar hobby em lucro

A relação do brasileiro com a cerveja é antiga. Nosso país ocupa uma das primeiras colocações entre os principais produtores de cerveja do mundo, ficando atrás apenas dos Estados Unidos e China, e supera a Rússia e a Alemanha.

De acordo com uma pesquisa realizada pelo Ibope (2013) revelou que a cerveja é a bebida preferida de 2/3 dos brasileiros para comemorações, com 64% da preferência.

Segundo o segundo dados do Sistema de Controle de Produção de Bebidas da Receita Federal (Sicobe), nos últimos 10 anos, a produção de cerveja no Brasil cresceu 64%.

Quem são as pessoas que bebem e produzem cerveja artesanal?

O mercado de cerveja artesanal (também conhecidas como “cervejas especiais”) tem crescido principalmente entre as classes A e B, que buscam produtos diferenciados. Já a classe C tem mostrado interesse por marcas já conhecidas.

De acordo com a Associação Brasileira de Bebidas, os consumidores são (em sua maioria) homens dos 18 aos 65 anos. Ainda assim o público feminino também aprecia a bebida, principalmente entre os 30 e 65 anos.

Para receber o título de microcervejaria, a empresa deve produzir até 200 mil litros por mês. Esse valor não é tão fácil de ser alcançado, mas o ritmo de crescimento desse nicho mostra como o setor está em ascensão.

Por que a cerveja artesanal é mais cara que a tradicional?

Dois principais motivos são responsáveis pelos altos preços das cervejas artesanais:

O primeiro é em relação à carga tributária. Tanto cervejas tradicionais quanto as especiais pagam por volta de 56% de tributos. Porém as “comuns” têm um mercado já consolidado.

O segundo ponto é em relação à qualidade dos ingredientes usados na produção. Enquanto as tradicionais usam ingredientes mais baratos e comuns, as artesanais vão em busca do que há de melhor.

Isso reflete no preço, que muitas vezes faz com que as artesanais sejam cinco vezes mais caras que as comuns.

Quer saber mais dicas sobre o mundo dos negócios?
Então siga o WorkStars no Instagram!

Texto de Gabriela Leão
LinkdIn | Instagram | Saiba Mais

Fonte 1 | Fonte 2

Compartilhe

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Leia também