Primeiramente, a economia criativa nasceu em 1983, na Inglaterra. Contudo, trazendo para os dias de hoje, tivemos uma explosão de criatividade quando começamos a incluir pessoas fora do setor econômico que usavam muitas habilidades para se enquadrarem.

Segundo o Sebrae, a economia criativa é um conjunto de negócios baseados no capital intelectual, cultural, e na criatividade que gera valor econômico. Portanto, a indústria criativa estimula a geração de renda, cria empregos e produz receitas de exportação, enquanto promove a diversidade cultural e o desenvolvimento humano.   

Sobretudo, o conceito de economia criativa se encaixa dentro da economia de forma geral em quatro grandes áreas: Consumo, Mídia, Cultura e Tecnologia. Além disso, dentro dessas áreas apresentadas, temos os seguintes aspectos: Inclusão, Sustentabilidade, Diversidade e Inovação!

Basicamente, tudo começa pela arte e cultura. Assim, inspirando a criatividade, que inspira a inovação. Nesse sentido, gerando benefícios sociais e econômicos, gerando um investimento na arte e na cultura. Em outras palavras, seguindo um ciclo contínuo. 

Dicas importantes para quem quer se aprofundar na área de Economia Criativa: 

Ficou com alguma dúvida, quer entender melhor? Assista ao vídeo: 

Agora é sua vez de falar

O que vocês acharam desse vídeo? Curtam e deixem comentários… todo feedback é essencial para o nosso trabalho com nosso youtube de negócios ?

Ah, não esqueçam de sugerir mais tópicos, lá no canal falamos de: vendas, negócios, startups, carreira, empreendedorismo, influenciadores digitais, dicas com especialistas, redes sociais, marketing.

Quer saber mais dicas sobre o mundo dos negócios?
Então siga o WorkStars nas redes sociais LinkdIn | Instagram | Youtube | B2B para Startups

Texto de Juliana Santana
LinkdIn | Instagram | Gramofone Ativo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.