clubhouse

Clubhouse: como aplicar a nova rede social no seu negócio

Nos últimos dias, a internet foi dominada pela nova rede social do momento: o Clubhouse. Se, por acaso, alguém não acompanhou ou não tem a menor ideia do que se trata, calma que é simples. 

Lançado em abril de 2020, o Clubhouse ainda é restrito para todos os usuários, mas já vem demonstrando todo o seu poder. Resumidamente, o Clubhouse é um app que permite às pessoas participarem de salas de chat com áudio ao vivo. Os usuários podem tanto escutar como também podem participar ativamente das conversas, dependendo da criação da sala. 

Apesar da simplicidade da proposta da rede social, que traz o conceito básico do podcast, o Clubhouse já conta com uma quantidade significativa de usuários. Desde o lançamento, a rede já conseguiu ultrapassar 2 milhões de usuários, número esse que o Instagram conseguiu obter só depois de dois anos após o seu lançamento. 

E entre essa quantidade de gente, o Clubhouse já possui nomes como o de Oprah Winfrey e Elon Musk, por exemplo. Além de chamar a atenção pela produção em áudio e pela simplicidade em desenvolver salas para divulgação de conteúdo, principalmente quando se compara com a produção de uma live para o YouTube ou Instagram, por exemplo. 

No momento, o app está disponível apenas para usuários iOS, mas mesmo assim, já está conquistando a todos, mesmo os que ainda não podem utilizá-lo. Ainda assim, muitos se perguntam: como posso explorar o Clubhouse? 

A dúvida não é direcionada para o sentido de encontrar novas salas ou conversas, mas sim, como usar essa ferramenta para desenvolver uma nova relação com o público do próprio negócio. E é exatamente isso o que vamos trazer. 

6 maneiras de aplicar o Clubhouse no seu negócio 

Criação de comunidade 

O próprio nome já diz: rede social. Porém, indo além do significado geral do termo, o social exige também a criação de comunidades, justamente por serem elas que mantêm o desenvolvimento de uma temática. E é justamente isso que dita o futuro dos negócios. 

Criar micro-comunidades é uma ferramenta muito importante para manter a fidelidade do público. Nesse ponto, o Clubhouse oferece dois pontos: liderança (através da moderação da salas) e comunicação, já que o app oferece um contato mais direto e simples. 

Serenidade no trabalho 

Com o afastamento presencial, por conta da pandemia, muitos encontros, reuniões e networking perderam potencial. No entanto, o Clubhouse conseguiu, de modo simples, voltar com esse encontro. Tudo bem que ferramentas de videochamada facilitam esse mesmo encontro, mas o recurso de só o áudio, facilita não só a comunicação, como também a própria rede torna toda a configuração e conexão mais ágeis

Isso deixa o ambiente mais leve, principalmente pela liberdade que o app fornece. 

Poder da segunda tela e da influência

Atualmente, grandes eventos e acontecimentos são marcados pela segunda tela. Não é só assistir ao BBB. É assistir ao BBB e ler o Twitter. Nesse ponto, o Clubhouse se tornou um facilitador para interações mais diretas para a segunda tela.

Nesse ponto, é uma oportunidade para marcas explorarem a rede, da mesma maneira que funcionou nas lives sertanejas, no ano passado. Com a formação de uma comunidade fiel, a marca pode patrocinar conversas e debates com grandes nomes em prol de uma filosofia ou de uma temática que conversa diretamente com a proposta da empresa

Indo além do podcast 

É inevitável que os podcasts cresceram absurdamente nos últimos anos. No entanto, o atual formato do podcast se resume a um programa fechado, com começo, meio e fim, e exige do ouvinte ir lá escolher o seu programa para começar a escutar. 

No Clubhouse isso se torna diferente, porque as conversas já estão acontecendo, e isso pode chamar a atenção de quem procura alguma conversa sobre a temática que quiser. Algo parecido com o TikTok, por exemplo. Dificilmente você procura o conteúdo, mas é o conteúdo que te procura. 

Clubes privados 

O exclusivo é algo único nas redes sociais. Atualmente, muitos se aproveitam das ferramentas dos próprios apps para lucrar e ainda manter o público fiel. Como assinaturas de close friends nos stories ou grupos fechados no Facebook, por exemplo. 

No Clubhouse, o mesmo pode acontecer, dando a oportunidade de usuários pagantes participarem de conversas e debates com o influenciador ou a figura que admira. 

Poder da voz 

O Clubhouse saiu da curva das outras redes, que apostam muito no visual, e foca apenas na voz. Apesar do visual conseguir chamar mais a atenção, o áudio tende a conquistar exclusivamente pelo conteúdo

Não só isso, como o áudio também conquista mais pessoas para criar conteúdo. Muitas pessoas são tímidas ou acham que podem ser recriminadas pelo visual, então se aproveita do áudio para conseguir ser ouvida. Essa, inclusive, foi a realidade de muitos podcasts brasileiros. 

Ainda assim, os podcasts exigem certa produção, mesmo que simples. No Clubhouse, a exigência da produção é um tanto inexistente, já que o foco está diretamente no conteúdo. 

FONTES
1   2

Compartilhe

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Leia também